terça-feira, 19 de março de 2013

A TRAGÉDIA DAS CHUVAS



Há tempos atrás, quando surgiu o embate e o debate, falei aqui: – Não há motivo para grandes preocupações, porque aquilo que pretende o Congresso Nacional, por sua maioria, é inconstitucional. Eu nem sei se é algo intencional: mobiliza o debate, algumas correntes políticas faturam; inclusive o Governador do Estado se apresentou como o grande defensor dos interesses do Estado do Rio de Janeiro; tentou até dizer que liderava a luta em defesa do Rio de Janeiro. Eu tive a oportunidade de dizer: participo da luta, mas não sou liderado pelo Governador. Participo, até lamentando que não tenhamos um projeto nacional. Quer dizer que estamos jogando unidades Federação contra outras? O Sudeste contra o Nordeste, ou vice-versa? Brasileiros sendo jogados contra brasileiros? Uma nova guerra de secessão. Vamos tentar, então, proclamar a independência dos Estados, porque o Brasil não tem um projeto nacional, um modelo de desenvolvimento que enfrente o contraste regional, que realize as vocações de cada região, um projeto afirmando a soberania nacional. Não tem! Continuam leiloando o nosso petróleo, as bacias sedimentares.
O Governador vem e sinaliza com três milhões. E a população envolvida? Como ficam as populações de Xerém, de Petrópolis e da Região Serrana, de um modo geral? Imaginei inclusive que estaria lá a postos em Xerém o Zeca Pagodinho, para chamar a atenção para o problema, já que é uma figura notória, mas que estaria lá, mais uma vez... Desta vez não só mobilizando meios, mobilizando socorro, mas desta vez denunciando o descaso, porque não é possível que a mesma tragédia aconteça aos mesmos locais a cada chuva, sem que as providências sejam tomadas. Mas quando eu digo as providências, falo das que demonstrem a responsabilidade dos governantes. ‘Ah, mas agora vamos ver quanto o Governo Federal, a Presidente da República vai liberar para complementar mais de três milhões que o Governador disse que vai aplicar’. Chega a ser um deboche, uma afronta, um desrespeito à população.
Esta Casa fez uma Comissão Parlamentar de Inquérito, houve uma comissão especial e no que resultou isso? O Governo virou as costas. Houve desvio de recurso público? Alguém está na cadeia por ter desviado o dinheiro destinado a obras de recuperação ou de prevenção? Não! A população continua sofrendo.
Portanto,  pelo menos que o Governador Sérgio Cabral não vire as costas, que assuma o mesmo papel que tentou demonstrar que estava assumindo na questão dos royalties; que possa ele ser o grande coordenador e o grande mobilizador de recursos exatamente para quê? Para a superação do problema, para a tranquilidade da população, para que possamos amanhã dizer: a Região Serrana, Xerém, tudo está verdadeiramente protegido. Vai instalar apenas sirenes para assustar a população: “Olha, nós instalamos sirenes porque, quando ameaçar chover, vocês podem começar a correr!” Não é o risco: é a certeza da tragédia.
Vamos acreditar, denunciando e exigindo que as providências sejam tomadas para que, amanhã, as famílias possam morar com tranquilidade, sem sirene, mas com a certeza de que qualquer chuva não vai sair arrastando as residências e arrastando as vidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário