quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Não à privatização da Cedae, nem no todo nem em parte, porque a Cedae tem que ser uma empresa exclusivamente pública.

Venho mais uma vez a esta tribuna manifestar a minha preocupação e a minha repulsa ao que vem sendo anunciado em relação à Cedae.

O Governo Estadual, que já contou com a aprovação desta Casa para conseguir empréstimos os mais diversos – e não sei se existe algum banco, nacional ou internacional, onde o Governo Sérgio Cabral ainda não tenha conseguido autorização desta Casa para sacar empréstimos –, e vem dizer agora que precisa colocar 25% das ações da Cedae na Bolsa de Valores, inclusive na Bolsa de Nova Iorque, para captar recursos necessários à promoção de investimentos, de modo a tornar mais eficiente a distribuição de água e o tratamento de esgoto em nosso Estado.
Sabemos que o presidente da Cedae tem proclamado o êxito da empresa. Sabemos também que ela tem sido lucrativa, basta olhar os últimos balanços. Contudo, conhecemos o sentimento da população, aquela parcela que não tem água nas torneiras... aquela parcela que paga pelo tratamento de esgoto, mas não vê o esgoto tratado... mas a responsabilidade por essa situação cabe exclusivamente ao Governo.
Há alguns dias, participei de uma reunião com representantes de diversos setores do meio sindical, mas também com a participação dos dirigentes e representantes dos trabalhadores da Cedae. A unanimidade rejeitou a pretensão do Governo, inclusive denunciou as terceirizações, os contratos suspeitos. Dá para imaginar que para pagar rios de dinheiro sem licitação, foi contratado um escritório de advocacia, quando a Cedae dispõe do seu próprio corpo jurídico. Então, são muitas as denúncias. Mas o Governo assume uma contradição: proclama o êxito. A Cedae divulga seus balanços registrando lucro, mas por outro lado manifesta a necessidade de caminhar para a privatização da empresa colocando 25, 30% de suas ações na Bolsa de Valores.
Primeiro, o tratamento e distribuição de água, recolhimento e tratamento de esgoto têm que ser uma responsabilidade exclusivamente pública, porque a água é um bem essencial. Tenho reiterado que até quem faz greve de fome, tem direito a beber água. Ela é essencial à vida; à saúde. Sem água potável nas torneiras e sem o esgoto tratado, quem vive esta situação enfrenta uma espécie de calamidade.
Aqui no Rio de Janeiro, será difícil encontrar uma lagoa, um rio, um lago ou um riacho que não esteja poluído. Quem conhece, por exemplo, o Rio Botas que atravessa alguns municípios na Baixada Fluminense; quem tem conhecimento do que acontece com a Baía da Guanabara, com as Lagoas da Tijuca, com as de Jacarepaguá, com a Lagoa Marapendi, com o Canal das Tachas, com o Canal do Rio Morto sabe que a situação é de calamidade, tal o desprezo das autoridades para com o saneamento básico.
Aliás, o Rio de Janeiro há poucos dias ganhou um prêmio por suas belezas naturais de um organismo ligado à ONU: cidade turística de belezas naturais incomparáveis. Tive a oportunidade de dizer: “realmente bela, mas mal cheirosa”. Porque percorrer o Rio de Janeiro consiste em encontrar tudo poluído, tudo mal cheiroso.
Que o Governo do Estado assuma as suas responsabilidades; que ele ouça os trabalhadores da Cedae e as entidades representativas dos cedaeanos, pois eles têm compromisso público; eles sabem como administrar a empresa mantendo-a exclusivamente pública e oferecendo bons serviços à população.
Como ao longo desses anos os trabalhadores não têm sido ouvidos, a relação do Chefe do Poder tem sido uma relação duvidosa, especialmente com os donos das empreiteiras. A população passa, portanto, a pagar um preço muito alto. Um preço muito alto pela água, um preço alto pelo esgoto que não é tratado, pago com a sua própria saúde.
Venho a esta tribuna dizer não à privatização da Cedae, nem no todo nem em parte, porque a Cedae tem que ser uma empresa exclusivamente pública. O saneamento básico tem que ser assumido com exclusividade pelo Estado. Não é possível imaginar que malandros conhecidos venham a ter lucro com ações da Cedae em detrimento dos interesses da população.
Contra a privatização da Cedae, no todo ou em parte! Contra as terceirizações! 
Por uma Cedae exclusivamente pública.

2 comentários:

  1. A privatização de uma parte vai gerar verba para novos investimentos e não deixará de ser comandada pelo governo que tem a maior parte.

    ResponderExcluir
  2. passou da hora de vender isso! pago agua com casa fechada isso sim é repulsivo nobre deputado que já votei,onde está a honestidade ? se não gastei vou pagar o quê?ai na tribuna fica lindo,quero ver é pagar 27reais,onde é privatizada eu pago12reais,o estado e o senhor sabe e sempre soube,que onde o estado coloca a mão nada funciona p/os contribuintes,detran,cedae,não vejo o sr.falar sobre a nova identidade publicada no DOU. de outubro,sabe porquê? será de graça.

    ResponderExcluir