terça-feira, 8 de maio de 2012

A luta dentro do PDT continua

Temos travado uma luta interna muito grande no meu partido, o PDT. Já há um grupo muito grande dentro do partido que entende que mantida a atual direção nacional e a direção regional (aliás, é o mesmo presidente, tanto em Brasília quanto aqui no Rio, o ex-Ministro Carlos Lupi) o PDT vai continuar sendo uma espécie de cartório; uma legenda de aluguel; um balcão de negócios.
O PDT perdeu completamente a sua identidade a partir da morte de Brizola, quando Lupi assumiu, por esse período todo, a direção do partido. E aí, já conseguimos anular na Justiça uma última convenção regional que elegeu, de forma espúria, um diretório, não só fraudando o Colégio Eleitoral, mas impugnando a chapa opositora. Na cara de pau impediram que disputássemos com uma chapa própria a direção do partido.
A convenção foi anulada e depois, na cara de pau, a direção nacional nomeia uma comissão provisória para dirigir o partido no Rio de Janeiro composta pelos mesmos membros da comissão executiva escolhida pelo diretório, cuja eleição foi anulada. Eles não respeitam a Justiça; eles não respeitam nada.
Agora, resolveram fazer, de forma surpreendente, sem observar prazos estatutários, sem observar o Colégio Eleitoral Estatutário, marcando com poucos dias de antecedência e sem a necessária transparência, marcar uma nova convenção, que teria sido realizada na semana passada. Aí, Sr. Presidente, sem qualquer alternativa, fomos mais uma vez buscar a proteção do Judiciário. Diante do juiz, a advogada do PDT, quando tratamos da transparência, disse: “Não, mas foi publicado, sim; houve transparência.” Ela levou para o juiz ver o jornal O Expresso. Aí, o juiz falou assim: “Mas eu não conheço esse jornal.” Quase ninguém conhece. Quer dizer, o cinismo alcançando todas as dimensões.
E aí, o juiz titular da 50ª Vara Cível, Dr. Luiz Umpierre de Mello Serra, concedeu uma liminar suspendendo a realização da convenção, no dia 27 de abril. A convenção não foi realizada; não houve a necessária transparência; o Colégio Eleitoral foi adulterado, descumprindo o Estatuto do Partido. Pretendem eles impedir a representatividade da capital, porque as zonais do Município do Rio de Janeiro são equiparadas a municípios, nem poderia ser diferente, pois o Rio de Janeiro concentra 45%, praticamente, do eleitorado. Então, a capital tem que ter uma representação compatível com os seus delegados eleitos por cada zonal para a composição do Colégio Eleitoral, para eleger o Diretório.
O ideal seria, e temos reivindicado, a mudança no estatuto para que tivéssemos eleição direta, para que todos os filiados pudessem participar do pleito, escolhendo a direção. Enquanto não conseguimos essa mudança, temos que lutar com as regras do estatuto. Nem assim a direção ilegítima, porque é uma comissão provisória espúria, não quer cumprir o estatuto.
Então, venho manifestar esta fase da nossa luta interna no PDT e mandar mais uma vez um abraço ao Deputado Federal Brizola Neto, por ter sido empossado Ministro do Trabalho. Aliás, foi empossado Ministro do Trabalho com a resistência do próprio ex-Ministro Carlos Lupi, presidente do partido. O Deputado André Figueiredo, vice-presidente, o Manuel Dias, Secretário Geral - aliás, Manuel Dias é a dupla do Lupi -, e o Deputado Giovanni Queiroz se manifestaram tão raivosamente contra a nomeação de Brizola Neto, que todos nós ficamos desconfiados dos propósitos.
Então, eu concluo dizendo que a luta, dentro do PDT, continua. Os verdadeiros trabalhistas, os verdadeiros Brizolistas estão se aproximando cada vez mais, para elegerem uma direção no Estado do Rio de Janeiro que possa recolocar o nosso Partido no rumo de sua história, no rumo de sua verdadeira destinação.
Sr. Presidente, peço a V. Exa. para transcrever, como parte do meu pronunciamento, a liminar concedida pelo Dr. Luiz Umpierre de Mello e Serra, Juiz titular da 50ª. Vara Cível, que suspendeu a realização de uma Convenção manipulada, fraudada, que teria se realizado não fora a liminar no dia 27.04 último, na sede do PDT.
O SR. PRESIDENTE (Alexandre Correa) – Obrigado, Deputados. Peço aos funcionários que façam, conforme o pedido do Deputado.
O SR. PAULO RAMOS – Muito obrigado.

Um comentário:

  1. Parabéns Dr. Igor você organizou o Partido PDT em 211 municípios maranhenses, fato nunca realizado anteriormente pela gestão anterior, lutou pela unidade do Partido em todo Estado do Maranhão respeitando as diferenças e preservando o livre exercício da democracia interna no Partido. Esperamos que a direção nacional se posicione em respeitar a luta pela unidade e fortalecimento do PDT no Maranhão, um fenômeno exercido pelos históricos fundadores, militantes e simpatizantes deste Partido tão brilhante no Estado do Maranhão.

    ResponderExcluir