sexta-feira, 16 de março de 2012

Majoração abusiva das tarifas das barcas, trens e metrô

Depois da punhalada sofrida pelos usuários das barcas, agora temos outra punhalada, que é cravada dos usuários dos trens e do metrô, com a majoração abusiva, inaceitável, das tarifas. É preciso dizer: tudo com o patrocínio do Secretário de Transportes Júlio Lopes e com o patrocínio do Governador Sérgio Cabral.

Lamentavelmente, o Governador Sérgio Cabral, já na sua primeira administração, demonstrou ter relações incestuosas com renomados empresários no nosso Estado. Mas agora, no segundo mandato, as coisas já são efetivadas sem qualquer pudor, mesmo aquelas que alcançam imediatamente parcelas expressivas da população.

Embora, em nosso Estado, o transporte coletivo, sob a gestão da Fetranspor seja privilegiado, no transporte de massas – barcas, trens e metrô – ainda nestes transportes, são muitos os usuários, porque se no transporte coletivo há uma pulverização, no transporte de massa há uma concentração.

No segundo mandato, o despudor é muito grande. O Governador não concorre mais e resolveu assumir claramente uma aliança espúria com aqueles que são os controladores desses modais.

Vamos se a população vai se expressar denunciando e reivindicando, como aconteceu no caso das barcas, manifestações até incorporando o humor.

A revolta é muito grande e quando a população reagir de forma violenta, seguramente, o Governador Sérgio Cabral vai dizer que são todos insubordinados, que não têm apreço pela lei. Talvez faça o mesmo que fez com os militares estaduais, a começar pelos bombeiros militares excluídos. Vai reprimir. Vai jogar na Polícia. Vai fazer o quê?

A revolta é muito grande e se houver quebra-quebra ou qualquer ato de violência será preciso, antecipadamente, deixar claro que existe um culpado. O primeiro é o Governador Sérgio Cabral; ele é o culpado. Mas há os seus aliados, seus sócios, que estão aí administrando concessões públicas do maior interesse da população. Vamos ver como vai se comportar a população do nosso Estado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário