quarta-feira, 27 de julho de 2011

Justiça anula eleição do PDT do Rio

Por decisão unânime (três votos a favor), os desembargadores da 1ª Câmara Civil do Rio de Janeiro decidiram nesta terça-feira (26) anular a convenção que elegeu a atual direção regional do PDT no estado.

Para a relatora do processo, desembargadora Maria Augusta Vaz, os atuais dirigentes foram eleitos cometendo pelo menos três ilegalidades: não tinham competência para a convocação, impediram os diretórios zonais de votarem e atropelaram o então Diretório Regional.

Para o deputado Paulo Ramos, com a decisão, toda a atual diretoria do PDT no Rio de Janeiro está, de fato, destituída e será necessária uma nova eleição:

“Fez-se Justiça. O nosso próximo passo será cobrar a prestação de contas dessa diretoria e convocar uma nova eleição, dessa vez apenas com votos diretos dos filiados do partido e, não mais, com os representantes dos diretórios. Esses representantes foram indicados pela atual direção e terão que ser destituídos também”, afirmou o deputado Paulo Ramos.

Para o ex-deputado federal Vivaldo Barbosa, a eleição direta dos dirigentes já é uma tradição do PT, que será estendida ao PDT:

“Um partido que tem o termo democrático no nome tem que ter eleição direta. Eu entendo que com a decisão da Justiça está dissolvida a atual diretoria assim como todos os indicados por ela e todas as decisões tomadas”, afirmou o pedetista. A atual diretoria foi eleita em 2008, já sob processo cautelar na Justiça.

Um comentário:

  1. Eu vi que ainda temos Justiça no nosso País. Realmente a convenção regional de 2008 foi fraudada, não podia prevalecer, não deixaram uma chapa completa concorrer, quando a situação não tinha sequer uma chapa. Foi realmente a vitória do bem contra o mal. Todos nesta 2ª feira as 18 horas no Partido para as providências necessárias a nova eleição. Até a vitória final. MRLB.

    ResponderExcluir