terça-feira, 22 de junho de 2010

21/06/2010 - A Comissão de Trabalho da Alerj se reuniu, nesta segunda-feira (21/06), para tratar de questões ligadas ao perigo de saúde vivido pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e os Agentes de Combate às Endemias (ACE)


O presidente da Comissão de Trabalho, Legislação Social e Seguridade Social da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Paulo Ramos (PDT), pretende marcar um encontro entre representantes da Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil e agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de Combate às Endemias (ACE), para que as reivindicações destas categorias sejam encaminhadas ao Governo. “A preocupação principal é com a saúde dos trabalhadores, que estão cumprindo suas tarefas sem proteção e auxílio adequados. São agentes federais concedidos ao estado, que os repassa aos municípios, e que, assim, ficam sem uma definição sobre a quem devem recorrer para terem seus direitos garantidos”, afirmou o pedetista, durante audiência pública nesta segunda-feira (21/06). Ramos aproveitou para frisar que tem receio da ocorrência de uma nova endemia de dengue no próximo verão no estado do Rio.

Ouça o deputado Paulo Ramos na Rádio"Fonte Alerj": http://www.radiopauloramos.net/21-06-2010-deputado-paulo-ramos-pdt-diz-que-agentes-de-endemias-tem-condicoes-precarias-de-trabalho

“Vamos cobrar que exista uma ação coordenada, conjugada e complementar entre todos os municípios e que a Lei federal 11.350/06, que trata da regulamentação da profissão de agente de saúde, seja cumprida principalmente em relação à continuidade do trabalho com servidores efetivos e à devida remuneração”, declarou o parlamentar. Segundo a diretora regional de São Gonçalo do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social no Estado do Rio (SindsPrev-RJ), Shirley Coelho, os agentes que estão lidando com um inseticida, e não com um larvicida como deveria, não têm utilizado o equipamento de segurança necessário. “Temos que suspender todos os trabalhos feitos com este inseticida, pois, além de trazer malefícios à saúde do profissional, ele traz perigo também para a população que recebe este tipo de produto nas caixas de água”, disse a diretora.

Shirley também demonstrou estar preocupada com uma nova endemia de dengue. “Devido às fortes chuvas que atingiram o estado há pouco tempo, esse verão deverá registrar um alto índice de casos de dengue. Em São Gonçalo, onde a água invadiu as casas em um nível médio de três metros de alagamento, é muito difícil que a situação seja controlada com o número pequeno de agentes empregados”, salientou. O município de Três Rios, no Centro-Sul fluminense, foi citado durante a reunião como exemplo de cidade que está conseguindo reverter o quadro nocivo da dengue. Representante da Secretaria Municipal de Saúde, Saulo de Andrade contou que a situação está normalizada. “Recebemos verba federal que nos é repassada pelo estado e, com ela, seguimos controlando a doença. Somos responsáveis por nossos funcionários e por sua saúde e, por isso, oferecemos remuneração adequada e carteira assinada e adquirimos todos os equipamentos de proteção individual”, informou.

Já para o secretário Municipal de Saúde de Itaperuna, Aurélio Carneiro, falta uma remuneração melhor para os agentes de combate às endemias em todo o Rio. “São 92 municípios em todo o estado e, por isso, temos que ter uma cobrança unificada do Governo para que todos cumpram o seu papel. De que adianta eu controlar a situação do meu município se meu vizinho não está trabalhando para a normalização da causa?”, questionou o secretário.
Fonte: Alerj (Texto de Ricardo Costa)



A Comissão de Trabalho da Alerj se reuniu, nesta segunda-feira (21/06), para tratar de questões ligadas ao perigo de saúde vivido pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e os Agentes de Combate às Endemias (ACE)



O presidente da Comissão de Trabalho da Alerj, deputado Paulo Ramos (PDT), pretende marcar um encontro na Secretaria de Saúde e entrar com uma representação no Ministério do Trabalho, para que haja uma efetiva fiscalização

Já para o Secretario de Saúde de Itaperuna, Aurélio Carneiro, falta uma melhor remuneração dos agentes de combate as endemias

O representante da Secretaria de Saúde do Município de Três Rios, Saulo de Andrade, disse que no seu município a situação esta normalizada


Segundo a diretora regional de São Gonçalo do SindsPrev-RJ, Shirley Coelho, estes servidores estão lidando com um inseticida e não um larvicida como deveria estar sendo feito

Nenhum comentário:

Postar um comentário